Lara Suliano conta sobre sua experiência de fé.

Tempo de leitura: 5 minutos

A ex-atleta Lara Suliano escreveu um livro onde retrata de maneira inteligente e carismática a sua experiência com Deus.

Através do mensageiro (personagem criado para representar o Espírito Santo), ela começa a sua jornada de fé e compartilhou conosco um pouco da sua experiência.

O livro “Uma Mulher Samaritana entre homens e Deus” é uma oportunidade para mergulhar no poder de transformação que o Espírito Santo oferece a todos que creem.

Se você deseja conhecer mais sobre a Lara Suliano, poderá acessar o seu site, ou adquirir o seu livro clicando aqui.

Livro: Uma Mulher Samaritana entre homens e Deus

Lara Suliano fala ao Você para Deus:

Para os que não conhecem, quem é Lara Suliano?

Sou jornalista, ex-atleta, mãe e divorciada. No meio de um caos que jamais tinha vivido antes, Deus me tocou.

Lara Suliano
Escritora Lara Suliano

Como surgiu a ideia de escrever um livro?

Quando eu tinha 22 anos uma pessoa me disse que eu iria escrever um livro sobre a minha vida. Aos 24 anos fui morar nos Estados Unidos e iniciei um blog onde escrevia sobre minha vida de atleta lá fora. Mas não tinha nada de extraordinário para contar em um livro.

Até que me converti e dois anos depois senti uma forte inclinação a escrever o meu testemunho.Nesse período visitei uma igreja que tinha o hábito de ir e o ministro da noite falou que no meio da congregação tinha uma pessoa que iria escrever um livro sobre o poder de Deus. Eu soube que ele estava falando de mim.

No outro dia sentei no meu quarto e comecei a escrever.

Do que se trata o livro “Uma Mulher Samaritana entre homens e Deus”?

É um testemunho. É também uma grande exposição de sofismas principalmente na área sentimental que atrapalham saber quem de fato somos. Acho que a humanidade nunca viveu um tempo onde a família e como consequência a sexualidade tem sido fortemente atacada por um discurso fantasiado de democracia, modernidade e liberdade de expressão.

Por que “Uma mulher Samaritana”?

Porque descobri que a verdade espiritual por detrás da figura daquela mulher de Samaria apontava para a minha vida.

No livro você relata sobre um vazio que a acompanhou por anos, o que você diria as pessoas que nos dias de hoje sentem esse mesmo vazio?

O vazio é consequência de estarmos fora da nossa real identidade. Tony Robbins explica que há um ciclo que se inicia com a crença de um potencial pessoal. Se acredito que coisas acontecem comigo, provocarei uma ação que irá gerar resultado. O resultado irá alimentar o meu sistema de crença também.

Se não acredito que coisas acontecem, não gero muita ação que irá gerar bons resultados; como consequência, terei inúmeros pensamentos e crenças negativas. O problema e a solução se iniciam na mente. A mente é o campo de batalha. Os dois sistemas de crença, seja positivo ou negativo, são autossustentáveis. Isso pode ser muito bom ou muito ruim.

Quando estamos imersos em uma realidade de crença negativa, é preciso preencher o senso com uma certeza absoluta, e alguma coisa tem que acontecer. Não basta dizer: “Acredito que serei o que quero ser”. Mas saber realmente (é o ponto que Deus penetra nossa mente). Ele descobriu que a essência que preenche a vida humana é doar (é preciso experimentar para entender, forçar‑se a quebrar um padrão de comportamento egoísta). Ainda segundo Tony, o homem tem seis necessidades e um sistema de crença individual que diz como satisfazê‑las.

A primeira: a certeza – afinal, ninguém quer falhar, perder tempo ou sofrer. Para que o mundo humano não fosse um tédio de tanta certeza,

Deus deu uma segunda necessidade ao homem: a incerteza – precisamos do elemento surpresa da incerteza. Quem não gosta quando ela é positiva?

A terceira necessidade é a crítica significante – de algum modo, precisamos nos sentir importantes, necessários ou notáveis. Há muitas maneiras de atingir isso, desde ser mais rico, mais espiritual ou até colocar uma tatuagem no rosto. O interessante é que Tony coloca nessa categoria a manifestação da violência como o meio mais rápido de atingir notoriedade e importância quando há falta de inúmeros elementos como fé, cultura, passado ou recursos.

A quarta necessidade: relação versus amor – as pessoas tendem a buscar relação porque o amor assusta, e elas não querem se machucar. Mas o amor é algo que transforma vidas. Essas quatro primeiras necessidades o homem encontra maneiras de satisfazer.

As últimas duas necessidades são necessidades do espírito, e é exatamente de onde a satisfação vem ou o vazio surge quando não são preenchidas.

A quinta e espiritual necessidade é a evolução – todos querem evoluir, seja no emprego, na academia, no relacionamento amoroso ou no reino espiritual. Para que haja evolução, é necessário agregar valor.

A sexta necessidade é contribuir além de nós; mesmo parecendo ser sentimental, o segredo da vida é doar. Ninguém faz sucesso se algo só funciona para si. Tem que haver utilidade pública. É exatamente onde o chamado de Deus se encaixa em qualquer lugar social que não necessariamente tenha uma aparência religiosa ou espiritual, nem mesmo exija a necessidade de a própria pessoa ter o conhecimento disso.

O chamado foi feito para tocar as pessoas em todas as esferas. Muitos serão chamados para os mais diversos propósitos e em todos os lugares porque Deus não pertence a nenhuma religião ou instituição.

Qual a sua mensagem para as pessoas que desejam ter um encontro verdadeiro com Deus?

Leiam a bíblia. A palavra é a verdade, é o manual da vida.


Sem dúvidas a experiência da Lara Suliano é uma prova de que Deus opera milagres e está disposto a transformar a todos aqueles que creem.

Até já!

2 Comentários

  1. Mariane Rocha

    Realmente lindas palavras da Lara.
    É isso mesmo é a palavra que transforma, que liberta, as pessoas sofrem porque neste mundo porque não procuram conhecer a palavra! E esse testemunho é prova que Deus não faz acepção de pessoas!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *