Paulo em Éfeso: História e Poder!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Vamos viajar no tempo até a cidade de Éfeso e conhecê-la melhor. Ela, que aparece em três momentos do Novo Testamento e era uma das principais cidades do Império Romano na época de Paulo. Se você gosta de aprender sobre o Evangelho e sobre a História, considere ver outros artigos:

A Cidade de Éfeso

Para entendermos a viagem de Paulo até Éfeso e a sua carta, é necessário sabermos que tipo de cidade era Éfeso: segundo o geografo Estrabão (64 a.c. – 25 d.c.), Éfeso “era o maior centro de comercio exterior que havia na Ásia”. Descobertas arqueológicas revelaram uma pedra, erigida por ordem do Imperador que colocava Éfeso como a mais ilustre cidade de toda a Ásia.

Em Éfeso havia um dos maiores teatros do mundo com capacidade para 24 ou 25 mil pessoas. Além disso era a 5ª maior cidade do Império com cerca de 500 mil habitantes.

Ruinas do Teatro de Éfeso
Ruínas do Teatro de Éfeso

O mais importante a saber sobre Éfeso, é que não havia ignorantes na cidade! Isto porque ela era filosoficamente e culturalmente muito avançada. A maioria de vocês já ouviram falar de um sujeito chamado Heráclito que foi um filósofo pré-socrático e é reconhecido simplesmente como o “pai da dialética” ou mesmo de um pintor chamado Apeles (que fez um retrato de Alexandre, o Grande), ele estudou em Éfeso. Estes são só exemplos de como a cidade de Éfeso “bombava” filosoficamente e culturalmente. Embora nenhum desses dois estivessem lá no momento em que Paulo chegou (ambos morreram a.c.), fica claro que historicamente a cidade é rica e é necessário que se saiba disso para entender o porque Paulo fica lá durante muito tempo. Eles eram tolerantes em relação a novas filosofias, ao contrário da maioria dos lugares em que Paulo esteve. (A mensagem durava somente algumas semanas ou dias e depois Paulo era tratado sempre com muita violência).

Paulo em Éfeso

Paulo chega em Éfeso e encontra um grupo de doze homens que diziam ser batizados no batismo de João. Paulo os aconselha dizendo que João batizou para o arrependimento, mas veio um que era maior que João, e todos foram batizados em nome de Jesus.

Como já falamos no estudo “Paulo em Filipos“, em toda a cidade que Paulo chegava ele procurava uma sinagoga e em Éfeso não foi diferente! No entanto, o versículo 8 cita uma palavra interessante: “persuadindo-os”. Isto nos dá ideia de um ensino “lógico”, e este era a forma com que Paulo ensinava. Vemos isto também em Atos 17:2 onde se diz que Paulo “arrazoou” acerca das escrituras, o que mostra como os pregadores de hoje em dia estão distantes daquilo que os antigos, e especialmente Paulo fazia quando trazia uma mensagem ou evangelizava.

Como a sinagoga era “muito tradicional” para os ensinos radicais de Paulo, ele separa alguns discípulos e parte para a escola de Tirano que com certeza ficava próximo a Ágora (assembleia) de Éfeso. E este ensino durou cerca de 2 anos! (Lembram-se do conceito que apresentei de que eles eram “tolerantes” a novas filosofias, por isso  ensino durou tanto tempo?)

Os filhos de Ceva

Através dos lenços e aventais de Paulo maravilhas aconteciam, o que nos leva a conhecer sete irmãos que eram os “caça-fantasmas” de Éfeso. Estes irmãos eram filhos de um judeu, sacerdote chamado Ceva.

Vendo estes “caça-fantasmas” que Paulo fazia tudo em nome de Jesus, acharam que o nome era mágico e foram expulsar um espirito maligno dizendo: “Em nome de Jesus a quem Paulo prega, sai dele”. O espirito disse: “Conheço a Jesus, e bem sei quem é Paulo; mas vós quem sois?” e deu uma surra nos sete, rsrsrs…

Este fato se espalhou de tal modo que todos passaram a engrandecer o nome de Jesus! E uma fogueira foi feita no centro da cidade e todos os que tinham livros de bruxaria e artes mágicas levaram os seus materiais para serem queimados!

Salve Diana, a rainha dos efésios?

Antes vamos falar de Diana: A deusa de Éfeso é chamada por nós ocidentais como Diana, mas no panteão grego ela se chamava Ártemis. Era a deusa da caça e dos animais.

Diana, Rainha dos efésios
Imagem de Diana (Museu Louvre)

Naquele tempo era vendido por artesãos uma miniatura de Diana que era rainha dos efésios. Com certeza era no comercio central de Éfeso que ocorria a comercialização, mas depois do fato que ocorreu com os livros de bruxarias, o povo esqueceu totalmente de Diana. Os comerciantes que possuíam uma espécie de “sindicato”, se reuniram e o líder deles era um cidadão chamado Demétrio que disse basicamente o seguinte:

Senhores, vós bem sabeis que deste ofício temos a nossa prosperidade;
E bem vedes e ouvis que não só em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, este Paulo tem convencido e afastado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que se fazem com as mãos.
E não somente há o perigo de que a nossa profissão caia em descrédito, mas também de que o próprio templo da grande deusa Diana seja estimado em nada, vindo a ser destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo veneram.
Atos 19:25-27

Isto causou um grande alvoroço na cidade: uns eram a favor de Paulo enquanto outros eram a favor de Demétrio de tal modo que durante duas horas uma grande multidão gritava: “Salve Diana, rainha dos efésios”. Dois dos companheiros de Paulo foram levados a força para dentro do teatro e Paulo desesperado, também queria ir mas alguns o impediram.

Um homem sábio que era o escrivão da cidade, teceu um comentário interessante:

Homens efésios, qual é o homem que não sabe que a cidade dos efésios é a guardadora do templo da grande deusa Diana, e da imagem que desceu de Júpiter?
Ora, não podendo isto ser contraditado, convém que vos aplaqueis e nada façais temerariamente;
Porque estes homens que aqui trouxestes nem são sacrílegos nem blasfemam da vossa deusa.
Mas, se Demétrio e os artífices que estão com ele têm alguma coisa contra alguém, há audiências e há procônsules; que se acusem uns aos outros;
E, se alguma outra coisa demandais, averiguar-se-á em legítima assembléia.
Na verdade até corremos perigo de que, por hoje, sejamos acusados de sedição, não havendo causa alguma com que possamos justificar este concurso.
Atos 19:35-40

E pelo medo de serem acusados de motim liberam a Paulo e seus amigos, que partiram para a Macedônia.

A lição aprendida em Éfeso

A lição deixada por Paulo em Éfeso é simples mas muito importante: Todo povo que não está enraizado no Evangelho é esquizofrênico em relação a palavra, já que o mesmo povo que queima livros de bruxaria e se maravilha com os milagres, é também o povo que grita loucamente “Salve Diana, a rainha dos efésios”. Por isso a pregação do Evangelho verdadeiro é importante, pois trata o cerne do problema. É por isso que Paulo mais tarde, diz aos de Éfeso:

No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.
Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.
Efésios 6:10-13

Quem não toma as armaduras de Deus acaba sendo levado por qualquer “vento de opinião ou de doutrina” que em nada tem haver com o Evangelho!

Espero que você tenha entendido!

Até Já!

Considere ler também:

6 Comentários


  1. Heelri dos santos

    Bem exposto a ponto de ser entendido com boas referências bíblicas com base na palavra nos Dando uma visão mais clara do que o apóstolo Paulo viveu para a época

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *