O cristão pode participar de Festas Juninas?

Tempo de leitura: 4 minutos

Será que o cristão pode participar de Festas Juninas? Existe base bíblica para permitirmos os nossos filhos ou até nós mesmos participarmos de tais festas? Vejamos mais sobre o tema no estudo abaixo.

 

Antes, compartilhe este artigo em suas redes sociais e ajude a mais pessoas a entender o Evangelho:

Cristão pode participar de Festas Juninas?

O cristão pode participar de Festas Juninas

Primeiro vai uma observação aos que ainda andam na onda do “cristão pode participar de festas juninas, cristão não pode…”, não acho que exista essa questão. Na minha cabeça, desde sempre estou do lado do bom senso. Se acho bom, faço. E se não acho bom, não faço! Simples assim.

Manual Bíblico das Questões Difíceis e Polêmicas da Bíblia

Mas vejamos mais detalhes:

Você participaria de uma Festa Junina?

SIM!!! Não vejo problema algum em conversar com os amigos, assistir e se divertir com as crianças dançando, mesmo que isso venha escondido de “Festa Junina”.

Eu sei que os santarrões de plantão, vão tentar “acabar” comigo nos comentários e sinceramente eu não ligo. Já fui a Festas Juninas e inclusive comi a comida que me ofereceram, (meu Deus, será que ele está desviado?) e nunca me senti mal fazendo nada disso.

Em tudo que pego, dou graças a Deus e como. Se eu gostar, como de novo se não gostar não como. Mas eu sei que não foi São João (João nem era São…) ou nenhum outro santo que nos deu a oportunidade de comer o alimento, mas sim o Deus que fez o céus e a terra e que nos dá a graça de nos alimentarmos de boa comida. Considere ler para complementar:

Eu utilizo sempre o bom senso para decidir o que fazer, onde ir e com quem sair. Jesus me ensinou assim e assim estou passando a você, . Mas você deve estar se perguntando:

Cadê a base bíblica?

O Novo Testamento inteiro é minha base bíblica. Observem o comportamento de Jesus… Paulo em 1º Coríntios 8 nos diz o seguinte:

Ora, no tocante às coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que todos temos ciência. A ciência incha, mas o amor edifica.
E, se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber.
Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido dele.
Assim que, quanto ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só.
Porque, ainda que haja também alguns que se chamem deuses, quer no céu quer na terra (como há muitos deuses e muitos senhores),
Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele.
1 Coríntios 8:1-6

Fora isso, temos todo o Novo Testamento me dizendo que não é o lugar que me santifica, eu santifico o lugar. Não é o que entra pela minha boca que me contamina, é o que sai. Não é o lugar ou o que eu faço que podem me prejudicar, mas sim o que eu penso sobre o que eu faço, isto porque Jesus disse: “…são os olhos a lâmpada do corpo, se os teus olhos forem bons, todo o seu corpo será luminoso”, com isto ele está nos dizendo que é a forma como eu enxergo a vida e as coisas que faço é que podem me tornar um ser de luz ou um ser de trevas. Enfim… se você ler o Novo Testamento inteiro e em sequência vai descobrir que não é a abstinência que te torna alguém mais santo.

Logo, sobre a pergunta: “o cristão pode participar de Festas Juninas?”, digo a você ou a qualquer outra pessoa que esteja com essa dúvida utilizar o bom senso. Se você acha que será legal, que sua família poderá se divertir e que não haverá problemas maiores, qual o problema em participar? Mas consulte a sua consciência e pense com a sua própria cabeça: se você vê problemas em participar, não participe, mas sempre usando a sua consciência com Deus para decidir o que é bom.

Até Mais!

23 Comentários


  1. COM CERTEZA EU NÃO PARTICIPO, NÃO DOU AVAL PARA NENHUM DOS MEUS PARTICIPAREM,A PALAVRA DE DEUS É CLARA QUANTO A NÃO PARTICIPARMOS,É ADORAÇÃO A UM ÍDOLO.NÃO ADIANTA QUERER MUDAR A DEUS E A SUA PALAVRA, SERÁ ANATEMO, OS HOMENS MUDAM AS COISAS TAMBÉM MAS DEUS E SUA PALAVRA NÃO.

    Responder

    1. Edileuza, graça e paz!

      Então não participe. Se a sua consciência diz que não, faça conforme a sua consciência, assim como falei no texto.
      Obrigado pelo comentário :)

      Responder

  2. Pode ou não pode participar
    ?
    Pra não ser muito mecânico acho que tudo me é lícito mas nem tudo me convém, não vejo nenhum problema em ouvir certos tipos de músicas que possuam letras de verdade, comer um bolo, um milho que é muito bom… Mas tem certos ambientes que devemos verificar e se perguntar, será que vai edificar minha vida em alguma coisa?… se sim, nisto pensai…

    Responder

  3. Eu acho que com esse tipo de dúvida e pergunta que as pessoas fazem, é que começamos a ter mais certeza que o cristão está perdido em relação a palavra de Deus. A verdade é uma só. Qual a necessidade de participar de uma festa Junina? Se a pessoa que tem a dúvida de poder participar ou não, significa que nem conhece a verdadeira palavra e que tem o desejo no coração de participar de tal comemoração. Eu sei que não devo participar, mas sinceramente eu gosto das festividades dedicadas ao “santo João”. Então não estou tendo um coração segundo a vontade de Deus. Temos que ser muito prudentes com nossa atitudes e vontades (desejos).

    Responder

    1. Olá Misaelli, graça e paz!

      Sim, embora a pergunta seja simples ela em nada revela se alguém está perdido em relação a Palavra ou não. Quanto ao mais, ande cada um conforme a sua consciência com Cristo.

      Obrigado Misaelli!

      Graça e Paz!

      Responder

  4. Não vejo problema algum porque na minha vida só existe um Deus que é onipresente onisciente e onipotente gosto muito de comidas típicas. Ser cristão é ser liberto de dogmas.

    Responder

    1. Graças a Deus alguém entendeu o que eu quis dizer!!
      Lucilene a sua frase resumi o que eu penso: “Ser cristão é ser liberto de dogmas”.

      Obrigado pelo comentário.

      Graça e paz!

      Responder

    2. Errado, com certeza é ser liberto de dogmas, mas leia sinceramente as cartas paulinas e depois decida!

      Responder

  5. A questão não é comidas tipicas, mas as comidas neste dia dado ao são joão feitas por pessoas que não temem a Deus são sacrificadas sim, as festas juninas levam as pessoas a se sentarem na roda dos escarnecedores, pois bebem bebida alcoólicas, comem carne assando na fogueira em alusão ao santo,milho assado,canjica e todas as iguarias dedicadas a são joão. Dogma é uma coisa, desobediencia a palavra escrita na biblia é outra coisa. Eu fico com a palavra pois ela me faz conhecer a Cristo e a verdade.

    Responder

  6. Saudações cristãs a todos.

    Pessoal, alguém ai sabe qual foi a origem das festas juninas?

    Não? Então vamos lá. Na época da colonização do Brasil, após o ano de 1500, os portugueses introduziram em nosso país muitas características da cultura europeia, como as festas juninas. Mas o surgimento dessas festas foi no período pré-gregoriano, como uma festa pagã em comemoração à grande fertilidade da terra, às boas colheitas, na época em que denominaram de solstício de verão. Essas comemorações também aconteciam no dia 24 de junho, para nós, dia de São João. Essas festas eram conhecidas como Joaninas e receberam esse nome para homenagear João Batista, primo de Jesus, que, segundo as escrituras bíblicas, gostava de batizar as pessoas, purificando-as para a vinda de Jesus. Assim, passou a ser uma comemoração da Igreja Católica, onde homenageiam três santos: no dia 13 a festa é para Santo Antônio; no dia 24, para São João; e no dia 29, para São Pedro.

    Vocês sabiam que Deus determinou a Moisés a comemorar a festa da colheita? Pois é, no antigo calendário israelita estão relacionadas três festas (Exôdo 23.14-17; 34.18-23): a primeira é a Páscoa, celebrada junto à dos Ázimos ou Asmos; a segunda é a Festa das Colheitas ou Semanas que, a partir do domínio Grego, recebeu o nome de Pentecostes; finalmente, a festa dos Tabernáculos ou Cabanas. As duas primeiras celebrações foram adotadas pelo cristianismo, porém, a terceira foi relegada ao esquecimento:

    Do nome Pentecostes, que muito cristão pensa que a tradução desse nome grego é falar línguas, o que é um erro, na verdade o nome grego significa quinquagésimo, ou seja, a festa da colheita judaica era realizada 50 dias após a páscoa.(Levítico 23:1-16). No tempo de Moisés não era esse o nome e sim no hebraico hag haqasir, por se tratar de uma colheita de grãos, trigo e cevada. O nome grego “Pentecostes” ganhou ênfase após o milagre que ocorreu durante essa festa, em que os Apóstolos de Jesus, quando pregava em sua língua nativa, foram ungidos pelo Espírito Santo, para que houvesse tradução para diversas línguas de diversos povos que ali se encontravam (Atos 2:1-18), daí a confusão do nome ser associado ao falar de línguas.

    Principais motivos da Festa das Colheitas
    A Festa das Colheitas (ou Pentecostes) não era uma cerimônia neutra, isto é, os celebrantes não se reuniam para um simples lazer ou diversão. Toda a cerimônia buscava reafirmar e aprofundar o sentido da fé em Javé, o Deus Criador e Libertador. Era esse os motivos.
    1 – Aprender a fraternidade
    2 – Aprender a ter compromisso com Deus e com a comunidade
    3 – Aprender a repartir os dons (Lv 25.6-7, 21-22).
    4 – Aprender a agradecer pelo fruto da terra.

    Infelizmente, a Igreja Católica, ao adotar as festas da Páscoa e de Pentecostes, incorporou as vários símbolos e ídolos de culto pagãos, pegando inclusive personagens bíblicos, como João Batista, o Apóstolo Pedro e outros, introduzindo-os na festa Junina com santos protagonistas, desvirtuando-se assim a principal característica das festas judaicas e também dos personagens bíblicos e de seus feitos, isto porque, a festa da colheita também não era festeja somente pelos hebreus (judeus), mas também por vários povos como celtas e egípcios e outros, por ocasião do solstício de verão, dai os símbolos a origem dos símbolos e ídolos pagãos.

    Por isso amados irmãos e irmãs, não podemos condenar aquilo que verdadeiramente Deus criou, que foi a verdadeira festa de pentecostes, portanto, se você for a uma festa junina, não está pecando, desde de que ao ir a festa, você não preste adoração aos santos, tanto até que várias igrejas evangélicas hoje, adotam a festa do milho e da colheita em época de festas juninas e julianas, o que não deixa de ser uma benção.

    A festa da colheita de povos pagãos era também feita da Igreja de Corinto, e o Apóstolo Paulo, assim advertia:

    Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência.
    Porque a terra é do Senhor e toda a sua plenitude.
    E, se algum dos infiéis vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que se puser diante de vós, sem nada perguntar, por causa da consciência.
    Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor, e toda a sua plenitude.
    Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. Pois por que há de a minha liberdade ser julgada pela consciência de outrem?
    E, se eu com graça participo, por que sou blasfemado naquilo por que dou graças?
    Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.
    1 Coríntios 10:25-31.

    A graça e Paz a todos

    Jorge

    Responder

    1. Olá sou eu de novo.

      Ops! Cometi uma garfe, e quero corrigir:

      Onde se lê:
      A festa da colheita de povos pagãos era também feita da Igreja de Corinto,

      Leia-se:
      A festa da colheita de povos pagãos era também feita na cidade de Corinto,

      Um abraço.

      Jorge.

      Responder

  7. Sou desta forma tbm se ñ me sinto bem ñ vou, tendo uma filha de 5 anos que na escola ensaiou quadrilha durante a semana é óbvio que ela ñ irá perder aula por isso porém no dia da festa ñ permiti q fosse. Mas ñ é por isso q vou criticar quem vai. Se me traz edificação é crescimento espiritual pras coisas de Deus to dentro se ñ to fora simples assim. Paz do Senhor Jesus

    Responder

  8. Bom de falou muito sobre comida , mas bem sabemos que a festa junina ñ e feita do de comes e bebes, ñ acho certo que façamos parte de algo assim pois as músicas tocadas ñ São nada inocente e nem sempre o ambiente e familiar , devemos ensinar nossos filhos o caminho da porta estreita e ñ a larga ,isso não é ser santarrao mas devemos ser vigilantes pois o mundo está aí impondo que tudo é normal e natural e por isso muitos estão se perdendo!

    Responder

  9. A graça e a paz ,amados na fé antes de ser chamada por Jesus, eu participava de todas estas festas bebia ,comia e me divertia bastante ,hoje já não me sinto bem ,mas eu não vou condenar a ninguém ,vai quem quer , a bíblia nus diz não se assentai na mesa dos escarnecedores mas medita na lei do senhor dia e noite ,se é certo ou errado só Deus sabe mas como nosso irmão disse e a consciência de cada um, até por que procuro um ambiente mas familiar para ir com a minha esposa e meus filhos comer as mesma comida de uma festa desta sem deixar nem comentário de bom ou de ruim e estando de bem com Deus e comigo mesmo.

    Responder

  10. Abri esta site e deparei-me com esta indagação e acabei por ser levada a deixar meu comentário diante da temática aqui posta. São muitas justificativas aqui postas por muitos que se dizem evangélicos. Muitas lindas exposições, na tentativa incansável de argumentar fazendo apologia ao relativismo exacerbado vivido pela sociedade nesta pós modernidade, buscando sempre argumentos “convincentes” para práticas que até então muitos dos nossos irmãos, primórdios na fé sofreram e padeceram para não se alinharem a este sistema. Analisei os pontos aqui apresentados e percebi que estão sempre colocando a “consciência e o bom senso”, como eixo norteador das próprias atitudes e decisões em nome da própria “conveniência”, porém deixando nossa “conveniência” de lado, se faz fundamental buscar o respaldo Bíblico, se é que ainda se tem este livro como prática de vida e regra de fé cristã, pois a Palavra de Deus de Gênesis a Apocalipse nos adverte a uma vida de santidade, que contemple a diferença entre o que serve e o que não serve a Deus e isto perpassa não simplesmente pelo ato de comer ou não comer, de participar ou não participar, mas sim da disposição que verdadeiramente temos em obedecer a Deus, “independente do “nosso bom senso”. O que passa disse é só pretexto. Pois como diz a Palavra de Deus: enganoso é o coração do homem que o conhecerá? “Portanto, não posso de maneira nenhuma viver em um mundo totalmente perdido e depravado, seguindo o curso do meu coração carnal e enganoso, regido por um sistema mundano que aliena a mente e o coração em nome de um relativismo que prega uma liberdade e bom senso, mas que na realidade utiliza-se de várias estratégias aparentemente lindas, sutis, como forças coercitivas para fazermos justamente igual como todos fazem em nome de uma liberdade de consciência que nada mais é do que o aprisionamento da alma que se manifesta em nossas práticas cotidianas.Que Deus abra os nossos olhos espirituais em nome de Jesus.

    Responder

    1. Se a sua consciência em Cristo diz que você não deve ir, então não vá oras! Não vou escrever me defendo de argumento nenhum, utilizo o bom senso sim e a minha consciência em Cristo sim! E oriento a todos a utilizarem!

      Até Mais!

      Responder

  11. É interessante observar que estamos vivendo em uma sociedade que alguns teóricos sociólogos pós modernos, caracterizam como: modernidade liquida, sociedade instantânea, sociedade complexa, e se manifesta exatamente na mudança instantânea e dinâmica de comportamento, atitudes, costumes etc. E dessa forma, entendo perfeitamente que esse modismo social perpassa também pelo público dito evangélico que traça dia após dia seus próprios conceitos e valores de certo ou errado sem nenhum respaldo Bíblico, só baseado no “bom senso e na consciência ” , ou quando não, buscam versículos descontextualizados para justificarem seus pretextos. Porém um breve análise da expressão “consciência coletiva”, Emile Durkheim deixa claro que o conceito nada mais é do que o resultado de tudo aquilo que fazemos simplesmente arraigado no conjunto de valores e de uma cultura porque os outros fazem, sem nos importar com as consequências e o consenso de acordo com Augusto Comte é justamente a busca permanente pela homogeneidade dessas ações e comportamentos em sociedade em nome do bem estar e equilíbrio social. Dessa forma, entendo perfeitamente pela Palavra de Deus que as atitudes e ações do cristão não devem ser moldadas pelo curso desse mundo, A Bíblia nos adverte: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.”Portanto, todas as vezes que o cristão segue pensamentos e práticas não condizentes com as Escrituras, simplesmente manifesta esta consciência coletiva, regida pelo curso do mundo que simplesmente ignora a perfeita vontade de Deus , porém o Senhor nos adverte “rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional; e não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que proveis qual é a boa, agradável e perfeita …” Isto é o querer de Deus. Agora entre a vontade de Deus e a nossa existe um grande abismo.Nós é quem decidimos qual é nossa verdadeira identidade onde queremos chegar. Pense nisso…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *