A dor da traição

Escrito por: Emilce Pereira

Como se sente uma pessoa traída? Ou, o quê sente uma pessoa traída? A dor da traição dói no profundo. Não no corpo, não no peito, não no coração, ou em qualquer outro órgão. Mas na alma. Uma dor insuportável que provoca desorientação, perda de raciocínio, o sentimento de rejeição. Pois a traição não vem de quem não conhecemos, mas daquele que anda ao nosso lado.

Não falo apenas de traição conjugal. Há várias formas de traição (e isso não é moderno): o filho trai (1 Co 5.1), o irmão trai (Gn 27.19), a mulher trai (Jo 8.7), o amigo trai (Lc 22.48). Jesus foi traído por um de seus discípulos. Um dos seus; um dos escolhidos para substituí-lo levando sua mensagem salvadora ao mundo; um que andava ao seu lado.

TraiçãoÉ claro que quando Jesus diz: “Judas, com um beijo trais o Filho do homem?” Ele não está surpreso, pois ele é Deus e sabe tudo; conhece os corações. Além disso, sabia o que haveria de acontecer para que se cumprisse a profecia. Mas, certamente, a dor que Jesus sente não é a da traição em si, mas de perda de um dos seus discípulos. Embora Jesus já soubesse tudo que aconteceria, deve ter-lhe doído a perda de um seu filho. Assim como dói, em nós, a perda da confiança naquele em quem acreditávamos cegamente: um filho, um amigo, marido, mulher…

E como reagir ante a uma dor que parece não ter fim? Vizinhos, parentes, amigos, filhos, pastor. Com quem conversar num momento tão difícil? Talvez você não queira falar sobre algo tão íntimo com alguém que pode julgar o outro.

Amados, creio que o melhor a fazer é orar. Deus é a pessoa com quem devemos conversar e pedir direção para um momento tão doloroso. Deus, com certeza, é o amigo que não vai expor você. Na Bíblia temos versículos que falam sobre o assunto inclusive a traição conjugal, quando Deus dá respaldo ao cônjuge traído para se divorciar. E o ÚNICO motivo amparado pelo próprio Deus para o divórcio.

Porém, a decisão de desfazer um relacionamento (seja ele qual for) não é para ser tomada sem uma reflexão. Reflita. Talvez para tal atitude de um amigo, seja totalmente relevante que, ao invés de romper essa relação e guardar rancor, seu papel deva ser orar por ele e falar da mensagem de Jesus. No caso da traição conjugal, é muito importante pensar em tudo: há quanto tempo estão juntos; o que construíram; o que vem acontecendo em seu relacionamento para que chegasse a esse ponto. Apesar do respaldo dado por Deus, ele não quer a dissolução de sua família. A autorização para se divorciar é apenas um escape para uma dor que Deus sabe que nem todos vão esquecer.

Mas devemos tentar. O perdão é algo tão maravilhoso que refrigera muito mais a alma daquele que o libera do que a daquele que o recebe. Não faça alarde sobre o que está passando na sua vida. Após orar, busque conversar com aquele que lhe traiu. Foi o que Jesus fez. Tudo o que aconteceu já estava determinado pelo Pai e Jesus sabia disso, mas falou com Judas para que ele soubesse que se ressentiu dele, mas creio que muito mais para que Judas refletisse sobre sua atitude de pecado contra Deus e sobre a tristeza de Jesus por seu ato.

Amor e compreensão são os principais sentimentos que devemos ter em nosso coração quando escolhemos conversar para esclarecer as coisas. O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece; (1 Coríntios 13:4-8).

Pense: A mágoa é uma consequência imediata; ódio e rancor são sentimentos que você pode nutrir ou não. Só depende de você.

Portanto, ame, compreenda, perdoe e seja feliz.

Que o Senhor Nosso Deus a todos venha abençoar!

Emilce da Silva Pereira
Educadora Cristã
Contato: icespereira@gmail.com

Receba um e-book Evangélico GRÁTIS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *