"O maior erro que você pode cometer, é o de ficar o tempo todo com medo de cometer algum." Elbert Hubbard
23/07/2011

A Eleição de Deus e o Falso Livre arbítrio do Homem (Última parte)

Para ler a parte anterior, clique aqui
Ainda dentro deste tema da eleição, eu quero abordar o aspecto da fé cristã. A maioria das igrejas ensinam que todos têm fé e que por livre-arbítrio o homem é que decide se crê ou se não crê em Jesus. Infelizmente, este é mais um falso ensinamento que tem sido passado para o povo de Deus. Todos os seres humanos têm uma fé natural, uma fé para crer em ídolos, em correntes, em velas, em espiritismo, em Buda e coisas semelhantes a estas. Mas, a fé para crer na Palavra de Deus, a fé genuína, a fé evangélica, só os eleitos de Deus possuem. Paulo disse que ele era "...servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, para promover a fé que é dos eleitos de Deus..."(Tito 1:1). Por que razão Paulo promovia a fé que é somente dos eleitos? Ele mesmo responde: "Porque a fé não é de todos"(2ª Tessalonicenses 3:2). Só os eleitos crêem nas verdades eternas, só eles receberam de Deus esta fé santíssima.
Um fato ocorrido com Paulo em Atenas, na Grécia, serve para ilustrar a verdade que mencionamos acima. O Apóstolo, que até aquele momento, não havia recebido a revelação do Evangelho da Graça de Deus, pregava sobre a ressurreição. O que aconteceu então? O escritor de Atos dos Apóstolos, responde: “Quando ouviram falar de ressurreição de mortos, uns escarneceram, e outros disseram: A respeito disso te ouviremos noutra ocasião. A essa altura, Paulo se retirou do meio deles. Houve, porém, alguns homens que se agregaram a ele e creram; entre eles estava Dionísio, o areopagita, uma mulher chamada Dâmaris e, com eles outros mais”( Atos 17:32 a 34 ). Eu pergunto: quem foram esses alguns homens que se agregaram e ele e creram? Será que foram aqueles que usavam o livre-arbítrio e creram? Certamente que não. Esses fazem parte daqueles que o Senhor conheceu de antemão e predestinou a este mundo. E os que escarneceram e não creram? São os que descendem do maligno, os filhos da perdição, aqueles que o Senhor Jesus disse que eram incapazes de crerem na sua palavra porque são filhos do Diabo. Acontece a mesma coisa nos dias de hoje, quando se prega sobre predestinação. Uns escarnecem, zombam, dizem que é heresia, enquanto alguns crêem e se agregam ao povo eleito pela vontade soberana de Deus. O Senhor Jesus disse: “Quem é de Deus ouve as palavras de Deus”( João 8:47 ). Eu creio nesta verdade, eu acredito sinceramente que, quem é de Deus, quem é eleito e predestinado desde antes da fundação do mundo, ouve as palavras de deus e crê. Fica claro então, que o ensinamento de que o homem tem livre-arbítrio é uma mentira que Satanás consegui introduzir na igreja. A expressão livre-arbítrio nem sequer esta na Bíblia. Por causa dessa mentira, o Diabo tem conseguido impedir que o povo de Deus reconheça a soberania do Senhor. Por causa do ensino de demônio a verdade está corrompida, maculada, jogada no chão. Somente agora, que o Senhor iluminou os olhos do meu coração, é que eu pude ver o quanto Jesus combateu essa falsa doutrina. Durante os dias da sua carne, enquanto desenvolvia o seu ministério terreno, ele ensinou: “Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora”( João 6:37 ). Normalmente os pregadores utilizam somente a segunda parte do versículo para dar a entender que o homem tem livre-arbítrio. Eles dizem assim: Irmãos, Jesus disse: Aquele que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora. Portanto você é que decide, tome a sua decisão, aceite Jesus agora. Isto é, no mínimo, uma desonestidade espiritual, pois o que Jesus disse foi que aquele que vem a ele é todo aquele que o Pai lhe dá. A verdade é que o que vem a Jesus não é aquele que usa o livre-arbítrio e o aceita, mas aquele que o Pai lhe dá.
Para que não houvesse dúvida quanto a esta soberania de Deus, mais adiante, no mesmo discurso o Senhor disse: "Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia" (João 6:44). No texto grego original a palavra trouxer é "elko" que significa: compelir por irresistível superioridade. Normalmente os pregadores dizem que o sentido do texto é que ninguém poderá vir se Deus não o cortejar, todavia o homem pode resistir a esse cortejamento. Na realidade, linguisticamente e lexicograficamente, a palavra significa "compelir". A verdade bíblica é que ninguém pode vir a Jesus por seu livre-arbítrio, mas que depende do Pai dar, depende do Pai trazer. O homem, por si só, é incapaz de vir a Deus porque ele está caído moral e espiritualmente.
Continuando a sua pregação, o Senhor Jesus, pela terceira vez, enfatiza a verdade da soberania de Deus, e diz: "Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido" (João 6:65). Nestas declarações do Senhor nós encontramos uma verdade que o povo de Deus não conhece, isto é, ninguém pode vir a Jesus se pelo Pai não lhe for concedido. O sistema doutrinal enfermo diz que, o homem vem ou não a Jesus por seu exclusivo livre-arbítrio. O Senhor Jesus, contrariando o sistema que está aí implantado há quase dois mil anos, afirma que é o Pai que dá, é o Pai que traz, é o Pai que concede.
Observe que a palavra "ninguém" mostra, claramente, que não pode haver nenhuma exceção. A palavra seguinte, que é "poderá", também tem uma importância fundamental no texto. O sentido dessa palavra no original, tem relação com capacidade e não com permissão. Uma coisa é ser capaz, outra é ter permissão. Alguns pregadores imaginam que Jesus está dizendo "Não é permitido que ninguém venha a mim". Mas, na realidade, ele está dizendo: "Ninguém é capaz de vir a mim". Existe uma condição para que alguém possa vir ao Senhor. A palavra seguinte, no versículo, é também de fundamental importância. Ele disse: "...se, pelo Pai, não lhe for concedido" (João 6:65). "Se" refere-se a uma condição necessária, ou seja, uma condição que precisa acontecer antes que outra coisa possa acontecer. Jesus está dizendo que ninguém, nesta terra, tem capacidade de vir a ele, a menos que o Pai lhe conceda essa capacidade para que ele venha. O que o Senhor está ensinando aqui, é que esta capacidade que o homem precisa ter, para vir a ele, é um dom de Deus. O poder do pecado é tão grande, a natureza do homem se tornou tão corrupta que, a menos que o poder sobrenatural de Deus se manifeste na sua vida, o homem jamais irá, por si só, a Cristo.
Nestes quatro anos que tenho pregado a revelação da graça de Deus, sempre que prego a respeito da soberania de Deus e o falso livre-arbítrio do homem, eu tenho percebido que a maioria dos crentes não aceitam esta verdade. Alguns ficam até irados e afirmam, sem nenhum temor, que isto que eu tenho ensinado é heresia. Na realidade, eu tenho apenas repetido aquilo que Jesus ensinou há dois mil anos e que João registrou no seu livro. Entretanto, da mesma forma que acontece nos dias de hoje, aconteceu nos dias de Jesus. Muitos rejeitaram a verdade que o Senhor revelava e "À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele"(João 6:66). Pasmem os senhores, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam mais com Jesus. Preferiram dar crédito aos falsos ensinamentos dos seus lideres religiosos do que aos verdadeiros ensinamentos de Jesus. Só crê nesta verdade quem é ovelha do Senhor. Quem não é ovelha não crê, e sempre fica do lado da radição e da mentira de Satanás, repudiando a verdade de Deus.
Infelizmente, a igreja hoje está permeada de tradições mentirosas. Tradições são cerimônias, doutrinas religiosas criadas pelos homens no passado, mas que foram passando de boca em boca através dos anos, não tendo, todavia, nenhum respaldo bíblico. Existe aí a tradição de que a mulher não pode cortar o cabelo, não pode pintar as unhas, não pode usar maquiagem. Em algumas denominações, a tradição diz que é pecado ir a uma praia, é pecado assistir televisão. Em outras, a tradição diz que o jejum fortalece espiritualmente, que a salvação se perde, que o homem tem livre-arbítrio etc.
No passado, quando Jesus se deparou com pessoas apegadas a tradições, ele disse: "Invalidando a palavra de Deus pela vossa própria tradição que vós mesmos transmitistes; e fazeis muitas outras cousas semelhantes" (Marcos 7:13). Hoje, a exemplo do que acontecia naquela época, as pessoas estão tão dominadas por essas tradições que não se apercebem que elas estão invalidando a palavra de Deus.
No seu tempo, Paulo alertou muito a igreja para não se deixar enredar pelas tradições criadas pelos falsos profetas com o objetivo de invalidar a Palavra de Deus. Paulo disse: "Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo" (Colossenses 2:8). A verdadeira igreja de Jesus não pode se deixar enredar por filosofias humanas, por tradições criadas pelos homens, mas, tão somente, por aquilo que é ensinamento de Deus. Os pregadores que defendem com unhas e dentes a mentira do livre-arbítrio do homem, procuram respaldar este falso ensinamento com o texto de João, que diz: "Mas, a quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber, aos que crêem no seu nome" (João 1:12). Baseados nesta passagem bíblica eles se insurgem contra a verdade divina, dizendo: Está vendo! É a todos quantos o receberam. É o homem que decide receber ou não receber Jesus. É o homem que decide crer ou não crer em Jesus. Eu pediria, encarecidamente, aos mestres do livre-arbítrio que baixassem um pouquinho os olhos e lessem o versículo seguinte, que esclarece: "Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1;13). Viram como agora a verdade ficou clara? Os que receberam Jesus, os que foram feitos filhos de Deus na carne, os que creram no seu nome, não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade de homem algum, mas da vontade soberana de Deus.
Para clarear, mais ainda, a mente daqueles que estão seduzidos pelas trevas do engano, a Bíblia diz: "E Isaías a mais se atreve e diz: fui achado pelos que não me procuravam, revelei-me aos que não perguntavam por mim" (Romanos 10:20). Quem são estes que não procuravam pelo Senhor? Somos nós, os eleitos e predestinados. Eu era católico, o outro irmão era espírita, o outro sambista, o outro alcoólatra, o outro vivia nas seitas, nas correntes e nenhum de nós procurávamos ao Senhor, pois estávamos mortos em delitos e pecados. Veja que o Senhor disse: Revelei-me, fui eu que me revelei, aos que não perguntaram por mim. O salmista diz: "Bem-aventurado aquele a quem escolhes e aproximas de ti, para que assista nos teus átrios; ficaremos satisfeitos com a bondade de tua casa - o teu santo templo" (Salmos 65:4).
Diante de tudo que a Sagrada Escritura mostra sobre a eleição e a predestinação do homem, fica absolutamente claro que o livre-arbítrio é uma expressão vazia, é uma altivez, é um insulto à soberania de Deus. O homem nasce na iniqüidade, ele é um escravo do pecado, e por si mesmo ele jamais se libertaria desta escravidão. Jesus disse assim: "...Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado"(João 8:34). Se o homem é escravo do pecado, se ele já nasce em pecado, quando é que ele poderia deixar de ser escravo? O Senhor mesmo responde: "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (João 8:36). A verdade cristalina é que não é o homem que tem livre-arbítrio, é Jesus quem liberta o homem. Deus é soberano e sem soberania Deus não seria Deus. Rejeitar a soberania de Deus é desprezar o cristianismo e abraçar o ateísmo, e só os filhos do Diabo são capazes de ato tão tresloucado.
Pr. Carlos Magno. Presidente da Igreja Cristo é Vida, professor do seminário teológico da graça de Deus, escritor e estudioso das Verdades Sagradas. Ouça pregações do PR. Carlos na TV Só a Verdade ou ainda visite a loja Cristo e Vida
Para ler outros estudos do Pastor Carlos Magno, clique aqui

2 comentários :

  1. Poderia esclarecer-me algumas coisas?

    a) Considerando a não-existência do livre-arbítrio, por que, então:
    1. Orar?
    2. Evangelizar?

    b) Muitos que afirmaram crer no Senhor, o abandonaram. DESISTIRAM NO MEIO DO CAMINHO. Será que nós, que afirmamos crer, podemos afirmar categoricamente que estamos salvos, para sempre salvos?

    ResponderExcluir
  2. Louri, a oração mostra a bossa fé em Deus, a nossa confiança absoluta Nele.Quanto a segunda pergunta, é preciso evangelizar porque nós não sabemos quem são os predestinados, sabemos sim, que quem for responderá positivamente a evangelização, crerá na Palavra.

    ResponderExcluir

Ola, Obrigado por comentar, Volte Sempre!!

Regras:
- Não serão aceitos comentários contendo: palavrões, ofensas, ou qualquer tipo de discriminação a pessoas ou a religiões!
- Não publicamos criticas negativas de "anônimos"! Para criticar, identifique-se!
- Os comentários serão respondidos aqui mesmo!
- Para saber mais sobre como aprovamos os comentários, leia nossa Política de Comentários ou veja nossa Política de Privacidade. E sinta-se seguro em nosso blog!

Deus abençoe!!

  © Portal Você para Deus - Todos os direitos reservados.

Template original por Dicas Blogger

| Topo